Vamos celebrar o dia da mãe!!
Estamos no primeiro fim de semana de Maio, e é no primeiro domingo deste mês que se festeja o dia de Mãe.
Sinto um orgulho enorme da minha mãe. Uma mulher de força e coragem, uma amiga e confidente, mais que uma mãe é uma mulher com um coração cheio.
Recordo me quando ela me trazia ao colo, eu ainda criança, da casa da minha avó onde ficava durante o dia. Percorria mais de 1km comigo ao colo num dos braços e com os sacos do trabalho no outro até casa.
A minha mãe teve sempre o poder de tranformar os meus dias em dias mais felizes, através de um livro de história que me comprava, de um pastel de nata que me trazia à sexta feira do mercado ou mesmo quando me ajudava nas cópias e ditados que trazia para fazer da escola.
Hoje mais que uma mãe, no verdadeiro sentido da palavra é minha confidente e amiga. É a pessoa que está sempre a meu lado independentemente de concordar ou não comigo, é a pessoa que me dá os conselhos acertados, que me ajuda quando preciso, mesmo sem lhe pedir.
A ela e a todas as mães, não desejo somente um excelente dia da mãe, desejo muitos dias felizes ao longo da vida.




Este ano para festejar e enaltecer o dia, preparei algo simples e fresco. Uma tarte de laranja sanguínea, deste livro, que foi uma estreia no seu sabor. Já há muito que ouvia falar deste tipo de laranja mas infelizmente na minha zona é difícil, para não dizer quase impossível, encontrar. Foi numa das idas a uma superfície comercial bem conhecida que me deparei com a dita laranja. No saco trouxe mais de meia dúzia de laranjas sanguíneas, na ideia a receita exacta para as usar.




Tarte de Laranja Sanguínea e Tomilho

(receita adaptada daqui)

Ingredientes:

Sumo de 5 laranjas sanguineas
Raspa de 3 laranjas sanguineas
2 hastes de tomilho
100 gr de mel
4 ovos
6 gemas
200 gr manteiga sem sal

* Para massa da tarte:

   200 gr farinha trigo
   50 gr farinha trigo integral
   2 colheres de sopa de tomilho picado
   100 gr manteiga fria em cubos
   50 gr de açúcar em pó
   3 gemas
   Sal q.b.


Preparação:

Comece por preparar a massa. Num processador coloque a farinha, a manteiga, o tomilho e o sal. Processe durante alguns segundos. Acrescente o açúcar em pó e as gemas. processe mais um pouco até estar tudo bem ligado. Retire do processador e de forma rápida amasse um pouco. Embrulhe em película aderente e leve ao frio durante 1 hora.

Entretanto prepare o creme. Num tacho coloque o sumo das laranjas e as haste s de tomilho. Leve ao lume a ferver cerca de  a  minutos ou até reduzir para metade. Retire do lume e descarte as hastes do tomilho. Reserve até arrefecer.

Adicione o mel, a raspa de laranja, as gemas e os ovos. Batendo tudo muito bem até estar envolvido. Leve ao lume novamente até engrossar um pouco. Retire do lume e deixe arrefecer um pouco.

Pré aqueça o forno a 180ºC. Forre uma tarteira com a massa que preparou e por cima coloque uma folha de papel vegetal com feijões. Leve ao forno a cozer por 10 minutos. Depois retire o papel vegetal e os feijões e deixe cozer por mais 5 minutos.

Retire a tarteira do forno e disponha o creme de laranja. Leve novamente ao forno por mais 15 minutos ou até o creme começar a ficar dourado.

Retire do forno e deixe arrefecer.Sirva frio decorado com rodelas de laranja sanguínea e folhas de tomilho.







O calendário marca a estação da Primavera, mas lá fora o tempo que se faz sentir é semelhante ao Inverno. Dias mais frios, com a chuva que não dá descanso e o céu cinzento que teima em permanecer, é este o cenário com o qual temos lidado nestes últimos tempos.
Gosto de dias de pleno sol, céu azul e temperaturas amenas. Tenho saudades dos dias de plena Primavera que agora raramente se vive. Daqueles em que se vestia uma t-shirt e bastava um casaco de malha fino para nos aconchegar quando as temperaturas baixavam ligeiramente. Ou de calçar as sabrinas sem ter medo que os pés se molhem, pois não haveria chuva.
Mas enquanto este tempo não dá tréguas é hora de convidar amigos e família para almoços e tardes de convívio. É hora de nos aconchegarmos no sofá, ainda de lume aceso e colocar a lista de filmes e séries em dia. Ou até mesmo de ir à biblioteca cá de casa e revisitar a prateleira dos livros desfolhando-os novamente como se fosse a primeira vez.




Dias de cor cinza são dias de preguiça. E dias de preguiça sugerem sobremesas rápidas e fáceis de preparar. Se a vontade de ligar o forno e preparar um aromático bolo de laranja ou um guloso bolo de maça e canela é muita, a receita de hoje não é feita em forno mas é igualmente um conforto para o estômago e a alma.
Com uma textura suave e aveludada, que se desfaz a cada colherada esta pannacotta tem um sabor bem forte e único do caramelo. Seria algo bem mais simples se a ele não se junta-se um pralinê de noz. Desengane-se de pensar que este pralinê demorará horas a preparar e será uma receita complexa. Nada disso!! Tomem nota da sua preparação, pois o crocante será a cereja no topo do bolo, ou melhor, no cimo da pannacotta.





Pannacotta de Caramelo e Pralinê de Noz

Ingredientes:

300 ml de Natas
100 ml de Leite
100 gr Açúcar baunilhado
3 folhas gelatina

* Para praliné:

 1/2 Chávena de nozes picadas grosseiramente
 1/4 Chávena de açúcar

Preparação:

Comece por levar a lume brando o açúcar baunilhado até o mesmo estar derretido e em caramelo. Utilize uma colher de pau para mexer.
Noutro recipiente aqueça o leite com as natas, até ficar quente. Reserve.
Demolhe as folhas de gelatina em água fria.
Quando o caramelo estiver preparado, adicione o preparado das natas com muito cuidado para não salpicar. Cuidado para não se queimar. Mexa muito bem e leve a lume brando novamente. Retire o excesso de água das folhas de gelatina e adicione as mesmas ao preparado. Misture bem até dissolver. 
Disponha o preparado da pannacotta por taças ou copos de servir e quando estiver fria leve ao frigorífico 2 a 3 horas antes de servir ou até solidificar.

Pode preparar o pralinê colocando num tacho o açúcar. Leve ao lume até derreter totalmente ficando caramelo. Acrescente as nozes picadas grosseiramente e envolva bem. Com a ajuda de uma colher coloque o preparado do caramelo e nozes sobre um pedaço de folha de papel vegetal e deixe arrefecer e endurecer. Quando estiver duro, corte com uma faca até ficar em pedaços mais pequenos.

Polvilhe o pralinê de noz sobre a pannacotta e sirva.









Mais de um mês, é o tempo que separa esta partilha da última publicação aqui no blogue. Um simples e aromático Bundt de Laranja e Azeite que partilhei no mês de Fevereiro.
Tenho estado ausente, bem sei. Uma ausência justificada por inúmeros motivos. A preguiça que por vezes me absorve, o regresso ao ginásio, o trabalho que tende cada vez a aumentar e alguns (muitos) passeios que fiz, e que fui partilhando no Instagram. Fins semana de descobertas (ou redescobertas), um regresso ao meu querido Porto, uma volta por Lisboa ou até à cidade dos estudantes, Coimbra. E ainda mais uns quilómetros até à pacata vila de Mértola com paragem obrigatória na Mina de São Domingos. Pequenas viagens no nosso país que irei partilhar convosco.
Em vésperas do domingo de Páscoa, e em pleno fim de semana prolongado, deixo-vos uma sugestão para passarem estes dias a conhecer um pouco do nosso pais. Hoje vamos até Sortelha.
Foi no passado mês de Setembro que numas mini férias passadas no Lugar do Ainda (já partilhei aqui), marquei no meu mapa uma visita à aldeia histórica de Sortelha. Situada no concelho de Sabugal é nas muralhas do seu castelo que a aldeia ganha mais vida.
Sortelha é uma aldeia saída de um livro de história ou de qualquer conto infantil. Rodeada de montanhas rochosas e pedras que lhe dão forma, vai crescendo lá bem no cimo. Casas construídas em xisto, subtilmente delineadas por ruas e ruelas que nos convidam a passeios a pé. Entre muralhas, Sortelha ganha vida e faz história, a sua história. Povo humilde e simples, com um enorme gosto de receber quem lá chega. Lá do cimo, bem no alto da torre do castelo espreita-se o infinito, um olhar que se perde de vista pelas montanhas que se avistam, absorvendo-se todo um sentimento de liberdade único. Nas colinas os rochedos vão ganhando forma com o passar dos anos, com as chuvas e ventos que por lá passam. Ventos de outrora responsáveis pela bem conhecida cabeça da velha, uma rocha esculpida pela natureza que se assemelha a uma cabeça de uma velha.






Desengane-se quem pensa que Sortelha é apenas para o povo português. Entre as ruas desta aldeia, ouvem-se conversas constantes em diferentes línguas, naquele dia era o alemão e o espanhol que visitava o nosso património.
Reina a paz e o silêncio apenas interrompido pelas vozes de quem trabalha nos preparativos da próxima feira medieval (em 2018 será de 21 a 23 de Setembro).
Mas quem visita Sortelha não se maravilha somente com as paisagens, o paladar também é chamado para o momento. Os petiscos são vários, assim como o viciante queijo de ovelha que acompanha o tradicional e caseiro pão.
Um pedaço de Portugal, uma cantinho de história e tradição, um povo humilde e um cenário digno de um filme medieval, tudo isto e muitos mais nos leva a querer voltar sempre.
Se ainda não tem planos para estes próximos dias, ou numa outra oportunidade que surja, Sortelha é um excelente destino. 














Nunca me canso de visitar regularmente o quintal dos meus pais. São as árvores de fruto que encarregam de se mostrarem deslumbrantes e bem vistosas a cada estação ou os legumes e vegetais que brotam da terra como que se reproduzissem a cada olhar. Desde pessegueiros, a pereiras, cerejeiras, nespereiras e mais umas tantas outras árvores de fruto, passando pelo cultivo de couve, cebolas, tomates, alfaces, pepinos e por vezes até meloa. Uma infinidade de coisas boas incomparáveis em termos de sabor e nutrientes.

A minha última visita, tal como todas as outras, foi bastante produtiva. Desta vez para além dos limões e das cebolas, do molho de nabos e das tangeras, são as laranjas que se revelam. Laranjas enormes e bem sumarentas. São menos de meia dúzia as laranjeiras do quintal, mas sempre me lembro daquelas árvores naquele mesmo sitio e eu de forma repetitiva ano após ano lá vou colher cada laranja com a calma e serenidade que eu gosto. Uma maiores outras mais pequenas, são as de casca mais grossa que me seduzem. Desenganem-se quem acha que não têm sumo. Nada disso, têm tanto de sumo como de doce. Um par de laranjas e já me enche a barriga.

Assim, aliado ao cesto recheado de laranjas está a vontade de preencher fins de semana preguiçosos, daqueles que me levam até ao sofá embrulhada numa manta a ver de forma ordenada séries e filmes, daqueles em que queremos perfumar a casa com aromas gulosos, daqueles que me fazem ligar o forno e preparar algo que encha de magia qualquer lanche de domingo.





Não escondo o gosto pelos citrinos e nada melhor e mais apropriado que preparar um bolo com uma massa suave e bem aromatizada com o sabor da laranja que casa na perfeição com o azeite que a receita também comporta. Azeite esse também  da última colheita do passado ano. Faz-se magia ao misturar de forma delicada a massa, envolvendo-se todos os ingrediente ao som das baladas do coração e com todo o amor que a receita pede. A receita estará pronta quando a massa é recebida numa forma linda, na minha nova forma Crown da Nordic Ware. Um presente de Natal bem saboroso e que me surpreendeu (ainda há amigas do coração).

A escolha foi mais que perfeita. Uma escolha que me leva às minhas memórias e recordações. Leva-me até à cozinha da casa dos meus pais, num sábado à noite, onde a minha mãe preparava sempre um bolo para o pequeno almoço e lanche de domingo. Quase sempre o de laranja era o eleito. Enquanto o bolo cozia no forno ainda a gás, eu teimosamente e de forma deliciada, olhava sobre o vidro do forno o bolo que ganhava vida e forma, sabor e cor. A minha mãe por sua vez preparava a calda com o sumo da laranja e açúcar que depois era colocada sobro o bolo ainda quente, por forma o tornar ainda mais apetecível e viciante. 

Para vós deixo as minhas memórias e uma fatia de um bolo simples de preparar que acompanha muito bem qualquer chávena de café ou chá. Um bolo de sabores simples mas não menos guloso.





Bundt de Laranja e Azeite

Ingredientes:

5 Ovos
290 gr de Açúcar
280 gr de Farinha
1 colher chá de fermento em pó
130 gr de Azeite
150 ml de Sumo de Laranja
Raspa de 2 laranjas
Açúcar em pó q.b.


Preparação:

Comece por pré aquecer o forno a 180 ºC. Unte uma forma com manteiga e polvilhe com farinha, ou unte apenas com spray desmoldante. Reserve
Numa taça bata os ovos com o açúcar e a raspa de laranja. Bata por cerca de 5 minutos ou até o preparado duplicar de volume. Acrescente o azeite e o sumo de laranja. Misture tudo muito bem. Por fim adicione a farinha com o fermento e envolva tudo de forma delicada.
Disponha a massa numa forma de bundt e leve ao forno cerca de 40/45 minutos. Para saber se está cozido faça o teste do palito.
Retire do forno e deixe arrefecer por cerca de 5 minutos. Desenforme para um bonito prato de servir e deixa arrefecer totalmente. Por fim decore com açúcar em pó, polvilhando assim sobre o bolo o açúcar em pó.