Bolo invertido de ruibarbo e os aromas e cores do Verão

julho 12, 2017


São os dias longos, em que o dia se confunde com a noite, são as temperaturas bem mais elevadas, o sol que teima em nos acordar pela manhã, o cheiro a dias de férias de chinelo no pé e calções vestidos que faz lembrar que o Verão já chegou e se instalou.
Não sendo eleita a minha estação, fico rendida e convencida quando me proporciona dias de descanso e passeio, permitindo assi apreciar os seus sabores e aromas.
E não só de mergulhos e praia se faz esta estação. Verão rima também com cor e sabor. Os aromas que todos os anos nos deixam com vontade de regresso rápido e pelos quais se anseia todo o ano. As bancas dos mercados pintam-se com as cores dos melhores produtos, os mais frescos e saborosos. Nesta cozinha tenta-se recriar uma inigualável banca de mercado fazendo da bancada o suporte para os legumes e frutos que por cá vão chegando. Dos tios, dos avós, dos pais e até dos vizinhos, a bancada vai-se compondo.
Dos doces morangos às irresistíveis e viciantes cerejas cor de rubi. Um vermelho escuro que trazem a doçura naquele pedaço de fruta. As nêsperas que mal dei conta da sua chegada e rapidamente desapareceram, não fossem elas bem carnudas e enormes, bem ao meu gosto.
É tempo de por cá chegar sacos de ameixas e pêssegos, das mais diversas variedades, diretamente da horta do pai. Reinam também as melancias, as meloas e os melões. Fruta que não dispenso, seja na sua forma mais simples, em sobremesas, num fresco gelado ou numa simples e prática salada. E são as memórias que me invadem sobre a forma de salada de meloa com presunto e mozarela que serviu de almoço num qualquer dia da semana passada, quando o pouco tempo livre para algo elaborado assim o obrigou. Já nem se fala do alperce que também teve o seu destaque.
Tal como os mercados, nesta cozinha o Verão não se esgota na fruta. Os mais diversos legumes formam-se e chegam até mim como de pipocas se tratassem. Não param de chegar. Courgetes para os salteados ou sopas, pepinos e alfaces para as saladas, tomates para compotas, molhos e saladas e os pimentos que ganham vida quando assados na brasa e acompanham um peixe assado na sua forma mais simples. Azeite por cima e já está!
Contudo há sabores que por cá vão ganhando o seu espaço. O ruibarbo é um desses exemplos. Uma planta que já tentei plantar mas sem sucesso, após alguns meses não vingou. Valeu-me as mãos amigas, que me fizeram chegar até mim uns quantos talos desta planta, cuja sua acidez dá o toque mágico a qualquer sobremesa. Deste fruto apenas se colhem os talos, rejeitando-se as folhas e raízes impróprias para serem consumidas. Das mais variadas combinações, mais ou menos tradicionais, e possíveis aplicações, regime pelo instinto e pela vontade de recriar uma receita que em tempo marquei com o post it amarelo do livro da Yossy Aferi de seu nome Sweeter Off The Vine.
Deste livro já surgiu a oportunidade de uma tarte de amoras, e a caminho muitas outras receitas que a par destas certamente encantaram os paladares cá de casa. Um livro que faço questão em que saia da estante e de transforme em receitas deliciosas, não fosse ele ir de encontro ao que mais me atrai. Receitas com produtos da estação e que funcionam em pleno.


E assim se partilha um Bolo Invertido de Ruibarbo, saído do livro já bem referenciado, como que de um desejo se trata-se quando sai da lâmpada do Aladino, numa história das mil noites.
Um bolo que apresenta um aroma a baunilha, conferindo ao bolo um sabor único que contrasta e casa na perfeição com a acidez do ruibarbo que é envolvido num caramelo caseiro que delicadamente foi preparado.
Um bolo que se assume na perfeição como uma excelente opção quando chega a hora do lanche ou quando se pretende surpreender alguém com sabores não muito conhecidos e saboreados.



Bolo Invertido de Ruibarbo
Ingredientes: 
        
400g de ruibarbo
150g de açúcar
55g de manteiga
1 c. (chá) de raspas de limão

     * para o bolo:
2 Ovos L
250g de Farinha de espelta
120 gr Manteiga à temperatura ambiente
100 gr de Açúcar
1 c. chá de fermento em pó 
1/2 c. chá de bicarbonato de sódio
1/2 c. chá de sal 
1 colher de chá de essência de baunilha
330ml de Leite

1colher de sopa de sumo de limão

Preparação:
Comece por cortar o ruibarbo em pedaços mais pequenos e ao meio, no sentido longitudinal, conforme o padrão que pretende para a cobertura do bolo.
Depois leve ao lume uma frigideira com 150 gr de açúcar, a manteiga e a raspa de limão.Quando o açúcar começar a derreter junte o ruibarbo e deixe cozinhar em lume lento por 3 a 4 minutos. Retire e deixe arrefecer um pouco.
Entretanto comece por preparar o buttermilk, misturando o leite com uma colher de sopa de sumo de limão e deixar repousar 10 minutos.

Unte uma forma de 22 cm e unte com manteiga. Disponha o ruibarbo na base formando o padrão que pretende. Por cima espalhe o caramelo que sobrou.
Numa taça misture a farinha com o fermento,o sal e o bicarbonato de sódio. Noutro recipiente bata a manteiga com o açúcar durante 5 minutos, até a mistura ficar cremosa. Junte os ovos um a um batendo a cada adição. Vá acrescentando ao preparado da manteiga a farinha alternando com o buttermilk, até ficar uma massa homogéneaDistribua a massa por cima do ruibarbo e leve ao forno pré aquecido a 180ºC cerca de 40 minutos.

Deixe arrefecer 15 minutos e desenforme com cuidado.
.




You Might Also Like

1 comentários

  1. Our international groups of local experts are right here to help you together with your manufacturing challenges. Today's manufacturers are in search of smarter ways CYCLING HELMETS to improve quality and productivity. Customers also have a choice to partially or fully offset the emissions produced by fabricating their elements every time they order.

    ResponderEliminar

Instagram